terça-feira, abril 19, 2011

Sozinha

Sozinha andando pelas ruas
me deparei com o vazio
ele estava dentro de mim
em várias formas
as vezes na forma de tempestade
para me tirar
as vezes na forma de calmaria
para me angustiar
ele estava dentro de mim
para destemperar
para tirar a verdade , o sentido e a razão
era eu mesma que não conseguia encontrar
um caminho para continuar ...
era eu mesma no vazio do tempo
no vazio sem espaço
no compasso
no desespero pela paz
pelo cansado momento de desapegar
da ilusão chamado amor
daquilo que nunca existiu
da fantasia que criei no mundo que inventei
e na imaginação
machuquei meu coração
lagrimas que não parecem ...
lavam meu rosto e saboreiam meus lábios
no intuito de me mostrar
que não a razão
não a sentido
para desesperar
apenas para finalizar