sexta-feira, novembro 25, 2011

Há uma espécie de conforto na auto condenação. Quando nos condenamos, pensamos que ninguém mais tem o direito de o fazer.

Oscar Wilde

não quero mais correr o risco de sorrir para não ter que chorar depois
quero apenas na apatia do destino , preço de algo inconsciente
que previsível é
somatórias de todos meus caminhos que nas circunstancias conheci
que abriram -se para mim em formas de pétalas
que apodreceram em minhas mãos
peças de um quebra cabeça sem solução

Não ouço mais as badaladas no relógio


"Ultimamente os dias estão sem cor.
Por mais que eu tente não consigo pintá-los.
E iss
o não tem nada haver com a chuva que cai lá fora.
O barulho dela é a única coisa que ainda me faz bem.
Tem algum vazio dentro de mim que não para de doer.
O sorriso sumiu do meu rosto.
Vonta
de de me deixar levar, sem destino certo.
Ser feito pássaro que se põe a voar. Livre!
Minhas aquarelas não me servem mais, tento pintar alguma coisa só que nada surgi na tela.
Ela continua branca.
Sinto meu coração apertado, tenho o gosto das lágrimas que insistem em não cair e das palavras presas na garganta
Fora isso tenho alguns tantos pontos de interrogação que rodeiam pela minha mente, incógnitas.
Me encontro sentada, com olhos marejados sem certeza de nada, a única que ainda me sobra é a de que dói.
E não é pouco.
Chega a ser irônico em dias cinzentos por dentro, nem as horas gostam de passar.
Não ouço mais as badaladas no relógio"
Uma vida não questionada não merece ser vivida.
Platão

quinta-feira, novembro 24, 2011

A retirada


O êxito consiste em afastar-se da maneira adequada. Retirar-se não é o mesmo que fugir.
Na fuga, busca-se apenas salvar a si mesmo, a qualquer preço.
A retirada, ao contrário, é um sinal de força.
Não se deve perder o momento adequado, enquanto ainda se possui força e posição.
Assim se poderá interpretar a tempo os sinais do momento, e preparar uma retirada provisória e oportuna,
em vez de se envolver numa luta desesperada de vida ou morte.

quarta-feira, novembro 23, 2011

entre dias sem cor



entre as cores sem cor
entre o preto e o branco
sem mais sentido
no mais sem graça
nadando para no chegar
correndo para não sair do lugar
pensando para não pensar
um ano em que tudo perdeu-se




quarta-feira, novembro 02, 2011



as nuvens passam, a chuva atua, e todos os seres individuais fluem para as suas formas próprias.