sexta-feira, novembro 25, 2011


não quero mais correr o risco de sorrir para não ter que chorar depois
quero apenas na apatia do destino , preço de algo inconsciente
que previsível é
somatórias de todos meus caminhos que nas circunstancias conheci
que abriram -se para mim em formas de pétalas
que apodreceram em minhas mãos
peças de um quebra cabeça sem solução